Estrutura

ESTRUTURA DA PASTORAL FAMILIAR
A Pastoral Familiar foi estruturada a partir da Exortação Apostólica Familiaris Consortio, do Papa João Paulo II, com base na comunidade diocesana e paroquial. O Papa, contudo, realçou o lugar especial que, neste campo, compete à missão dos cônjuges e das famílias cristãs. Em virtude da graça recebida no sacramento do matrimônio, eles devem atuar no seio da própria família com testemunho de vida.
Devem atuar também na esfera pública, buscando formar opinião e consciências segundo os valores cristãos, através de “associações de famílias a serviço das famílias”, inclusive com empenho ativo em todos os níveis, mesmo em parceria com outras associações não-eclesiais que defendam aspirações justas.
ETAPAS
Neste documento ficam claras também as três grandes etapas do trabalho da Pastoral Familiar:
Setor Pré-Matrimonial, que envolve a preparação dos jovens para o matrimônio e a vida familiar, inclui também a celebração adequada do sacramento do matrimônio;
  1. Catequese para 1ª eucaristia;
  2. Catequese para crisma;
  3. Grupos de jovens;
  4. Atendimento ás escolas;
  5. Encontro de casais de namorados;
  6. Encontro para noivos;
  7. Animação da Liturgia do Sacramento do Matrimônio.
Setor Pós-Matrimonial, que diz respeito ao empenho da Igreja local em ajudar o casal a descobrir e a viver a nova vocação e missão de maneira alegre e frutuosa;
  1. Grupo de famílias(reflexão em casas);
  2. Atendimento aos pais que pedem Batismo para os filhos que se preparam para a 1ª Eucaristia e Crisma;
  3. Atendimento aos viúvos e idosos;
  4. Encontro de famílias para formação ou temas comuns ás famílias;
  5. Encontro de Casais com Cristo(E.C.C.).
Setor Casos Especiais, onde a Pastoral Familiar, guiada pelos princípios da verdade e da misericórdia, procura ser “um empenho pastoral ainda mais generoso, inteligente e prudente, na linha do exemplo do Bom Pastor, àquelas famílias que - muitas vezes, independentemente da própria vontade ou pressionadas por outras exigências de natureza diversa, se encontram em situações difíceis” .
  1. Mães ou pais solteiros;
  2. Famílias migrantes;
  3. Famílias com extrema miséria;
  4. Uniões livres;
  5. Casais que vivem juntos e podem regularizar-se;
  6. Pessoas que se separam e não contraem novo casamento;
  7. Pessoas que se separam e contraem nova união;
  8. Especial atenção para mulheres que pretendem abortar ou abortaram;
  9. Prostituição de menores;
  10. Alcoolismo;
  11. Dependentes químicos;
  12. Violência na família;
  13. Abuso sexual a menores;
  14. Estupro;
  15. E outras ações conforme a nossa realidades

IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO
Com a finalidade de estimular a implantação da Pastoral Familiar nas paróquias e subsidiar seu adequado desenvolvimento, a Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família, juntamente com a CNPF, vem editando vários livros afins e elaborando diversos e práticos “Guias”, a começar pelo:
• “Guia de Implantação da Pastoral Familiar na Paróquia”;
• “Guia de Preparação para a Vida Matrimonial”;
• “Guia de Orientação para Casos Especiais”;
• “Guia de Orientação para a Formação das Associações de Famílias” (fase final).
Ações da Pastoral Familiar em tempos fortes como:
  1. Campanha da fraternidade (reunião familiares para reflexões);
  2. Natal em família (reuniões familiares para reflexões);
  3. Visitas ás famílias;
  4. No mês de Agosto, realiza-se anualmente a Semana Nacional da Família, amparada pela já bastante conhecida “Hora da Família” ( conforme orientação da Comissão Nacional da Pastoral Familiar- CNBB).

ATENÇÃO
  • TODA COMUNIDADE PAROQUIAL É RESPONSÁVEL PELA PASTORAL FAMILIAR, DE MODO ESPECIAL AS PRÓPRIAS FAMÍLIAS CRISTÃS
  • O Pároco;
  • Casais e famílias;
  • Pessoas isoladas ( viúvos, pessoas separadas não recasadas, jovens com maturidade, agentes de outras pastorais);
  • Catequistas;
  • Agentes da pastoral social( Pastoral da Criança, do Idoso, da Saúde, etc);
  • Agentes da Pastoral dos Jovens;
  • Coordenadores das Comunidades da paroquia.
OBS.: A Pastoral Familiar contará de modo especial com a colaboração dos membros dos movimentos e Serviços da Paróquia como:RCC (Renovação Carismática), Apostolado Coração de Jesus e outros.